sábado, 27 de maio de 2017

Um interessante debate de ideias





“O Símbolo Perdido pode ser uma leitura de praia, mas por baixo da areia encontramos um romance de ideias.” Dan Burstein
Se a polémica gerada por O Símbolo Perdido é porventura mais fascinante do que os talentos literários de Dan Brown, Segredos de O Símbolo Perdido oferece ao leitor interessado no debate de ideias a possibilidade de explorar as teorias irreverentes que subjazem aos romances mais vendidos do autor. Dan Burstein e Arne de Keijzer levaram o debate a sério, reunindo um vasto grupo de historiadores, teólogos, cientistas, filósofos, peritos em simbologia, criptógrafos, historiadores de arte, especialistas em ocultismo e um vasto leque de escritores e pensadores que fornecem ao leitor de Dan Brown os instrumentos essenciais para decifrar O Símbolo Perdido – a chave para conhecer a realidade que se esconde por trás da ficção.
Dan Burstein, jornalista premiado e autor de treze livros sobre economia global, tecnologia e cultura popular, é o grande especialista mundial na ficção de Dan Brown. Foi também o fundador da Millennium Technology Ventures, uma sociedade de capital de risco, com sede em Nova Iorque, que investe em empresas inovadoras na área das novas tecnologias.
Arne de Keijzer é co-criador de série Segredos, que inclui Segredos do Código e Segredos de Anjos e Demónios. Antigo consultor internacional de negócios, é autor e colaborador de diversas obras cujos temas vão do impacto da China na economia global às novas tecnologias do presente.
Dos autores de Secrets of the Code e Secrets of Angels and Demons, Segredos de O Símbolo Perdido é a continuação do trabalho de excelência de uma equipa de investigadores que chegou aos tops do New York Times, USA Today e Wall Street Journal, tendo sido divulgado em mais de 30 línguas. Segredos de O Símbolo Perdido é uma longa visita, guiada por especialistas de renome, às muitas ideias polémicas exploradas em O Símbolo Perdido. A sequela de O Código Da Vinci, de Dan Brown, introduz os fãs num novo mundo de sociedades secretas, mistérios antigos, símbolos ocultos, ciência new age e religião. Qual será a verdade subjacente aos temas e personagens de O Símbolo Perdido? Dan Burstein e Arne de Keijzer distinguem o facto da ficção, exploram a relação multifacetada entre Religião e Ciência que tem dominado a obra de Dan Brown e convidam o leitor a aprofundar o tema da Maçonaria nesta sequela de O Código Da Vinci. Os autores apoiam-se na visão fascinante de grandes autoridades mundiais: historiadores, especialistas em códigos, arte e símbolos, maçons, partidários da Noética, teólogos, filósofos e cientistas – em cujas obras o próprio Dan Brown se inspirou para desenvolver a misteriosa intriga de O Símbolo Perdido.

Fonte: http://planetamarcia.blogs.sapo.pt

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Diverte-te





Podes treinar aqui os teus conhecimentos



Diverte-te




 Podes treinar os teus conhecimentos  de uma forma descontraída e divertida






Fátima Sou peregrino


 

“Uma peregrinação é um ato de sair. Vou. Sou multidão, mas não deixo de ser eu próprio. Não quero perder a sedução de me unir a quem canta ao meu lado e envolver a minha voz neste som áspero ou doce de multidão”

Fátima, sou peregrino é o último livro publicado por Pe António Rego que enriqueceu o fundo documental da biblioteca com a sua doação. António Rego, é sacerdote do Patriarcado de Lisboa, nasceu em 1941, na Ilha de S. Miguel (Açores). Homem culto, sempre preocupado em alcançar o significado mais profundo das coisas, cedo percebeu que a cultura e a fé encerram um chave subtil e transcende para a compreensão do mundo. Essa consciência levou-o a associar a evangelização à comunicação social, sendo Concílio Vaticano II a sua «grande fonte inspiradora. Nesta sua obra partilha connosco a experiência de ser peregrino: “Gosto de ir a Fátima dirigir ou comentar uma transmissão onde se deve estar calado, sempre que a multidão caminha, reza, canta, vibra e se ilumina em torno da imagem de Nossa Senhora. E transmitir o rosto do peregrino no seu mais indizível e lentamente cruzado com a Imagem peregrina, para que essa fração de olhar entre pelo coração de quem está longe, em casa ou no café, quase indiferente. Ou cruzar o dizer entre indivíduo e multidão, sentindo-me eu próprio aí, com os olhos tocados pela luz quente duma pequena vela. Sou peregrino. Somos. E não estamos só.”

No livro que dedicou à biblioteca podemos ler: “à Biblioteca do CEF com muita estima pelo esplêndido serviço por paixão.”

Maze Runner A cura mortal


domingo, 23 de abril de 2017

Menina Bonita do Laço de Fita


O filme aborda o aspecto racial e o não-preconceito, através da convivência harmoniosa de indivíduos de raças e cores diferentes. Para isso, conta a história de um coelho que, apaixonado pela cor negra de sua vizinha, faz tudo para ficar igual ela. Depois de várias tentativas frustradas, acaba encontrando a felicidade ao se casar com uma coelha preta e ao ter filhos brancos, pretos e malhados.


domingo, 9 de abril de 2017

Educação -A CLOUDY LESSON" Cute Fantasy"





A linha entre educação e controle é muito sutil. E os adultos geralmente ultrapassam esta linha. Pensamos que devemos ensinar todas as crianças a todo o tempo. É certo que as crianças tem muito o que aprender, porém não podemos cair no erro de pensar que nossa maneira de fazer as coisas e de ver o mundo é a mais válida, ou pior, a única correta.
A função dos pais, mães e professores(as) não é criar cópias de si próprios mas, pelo contrário, dar às crianças ferramentas para que possam desenvolver ao máximo suas potencialidades. Educar é sinônimo de enriquecer, não de limitar. A educação não consiste ocupar a mente, preenche com ensinamentos, conceitos e maneiras de fazer as coisas, mas em libertar as crianças para que sejam realmente pessoas capazes de pensar e criar.
A animação “Cloudy Lesson”(Uma Lição Nebulosa, em livre tradução), nos ensina isto de maneira magistral. O curta conta a história de um avô fazedor de nuvens que, ao ver que as coisas não vão de acordo com o planejado, ensina ao neto que grandes ideias nascem de felizes acidentes.

terça-feira, 21 de março de 2017

Sobre a palavra "agradeço" (António Sampaio da Nóvoa)

80 erros gramaticais... indesculpáveis

80 erros gramaticais... indesculpáveis - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Vida Maria Audiodescrito



Vídeo disponível com audiodescrição (para pessoas com necessidades visuais)

Vida Maria




“Vida Maria” é um curta-metragem em 3D, lançado no ano de 2006, produzido pelo animador gráfico Márcio Ramos.

O filme nos mostra a história da rotina da personagem “Maria José”, uma menina de cinco anos de idade que se diverte aprendendo a escrever o nome, mas que é obrigada pela mãe a abandonar os estudos e começar a cuidar dos afazeres domésticos e trabalhar na roça. Enquanto trabalha ela cresce, casa e tem filhos e depois envelhece e o ciclo continua a se reproduzir nas outras Marias suas filhas, netas e bisnetas.

São apresentadas no filme imagens que mostram uma semelhança muito grande com a realidade, traços bem parecidos com o real onde vemos crianças que tem sua infância interrompida, muitas vezes para ajudar a família a sobreviver, infância essa resumida a poucos recursos e a más condições de vida.

quinta-feira, 9 de março de 2017

domingo, 5 de março de 2017

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Vive na Boa!


Vive na Boa – Promoção da Igualdade de Género e Estilos de Vida Saudáveis

Objetivos
Sensibilizar a sociedade civil para a igualdade de género, conciliação da vida familiar e profissional e combate e prevenção da violência doméstica;
Envolver a comunidade educativa no desenho, implementação e avaliação de estratégias de promoção da igualdade de género em contexto educativo/formativo;
Construir uma ferramenta lúdico-didático adaptada ao meio escolar para promoção da reflexão e responsabilização sobre Igualdade de Género e Estilos de Vida Saudáveis.

Breve descrição do projeto
Projeto de sensibilização e promoção de estilos de vida saudáveis assentes na igualdade de género em comunidades locais do Baixo Alentejo, promovido pela Associação Humanidades em estreita articulação com parceiros locais junto das comunidades educativas de Aljustrel, Almodôvar e Beja, a partir de uma ferramenta lúdico-didática – jogo interativo VIVE na BOA – que facilita o trabalho desenvolvido por mediadores/as (profissionais da área da educação, saúde e intervenção social em geral) e promove a reflexão e responsabilização dos jovens, entre os quais estudantes do 2º/3º CEB/ES em domínios tão relevantes como a igualdade de género e não-violência; sexualidade responsável e prevenção de infeções sexualmente transmissíveis (IST); prevenção do uso de drogas, incluindo o álcool e o tabaco; alimentação saudável e prática de exercício físico.
AQUI

Daisy Chain



“Daisy Chain” nasceu como uma história de embalar e em três anos tornou-se um dos livros interativos de maior sucesso na Austrália. E também um curta metragem com a narração da atriz Kate Winslet.
O australiano Galvin Scott Davis começou a notar algo diferente no seu filho, Benjamin. Sempre que chegava da escola, o menino ficava mais calado e não tinha a mesma motivação que antes. “Ele estava mais reservado e descobri que tinha sofrido bullying na escola. Não foi um caso muito grave, mas foi suficiente para que perdesse a confiança”,contou ao jornal The Guardian. Para reconfortar o filho, Davis decidiu contar-lhe uma história de embalar de alguns dos livros infantis da vasta coleção que tem em casa, mas não encontrou nenhuma história apropriada para aquele momento. Então, decidiu inventar uma. Assim nasceu a ideia para “Daisy Chain”, um conto sobre uma menina chamada Bree Buttercup, que é perseguida por outras crianças quando tiram uma fotografia dela e a colocam em todas as árvores do parque. É o próprio Benjamin quem ajuda Bree a combatê-los usando uma corrente de margaridas, a sua flor favorita.
Num período de 3 anos, a história deixou o quarto de Benjamin para tornar-se um dos livros interativos com o maior número de downloadsna Austrália. Depois, foi feita um curta metragem com a narração da atriz Kate Winslet, que está a ser utilizado por grupos anti-bullying na Austrália, Estados Unidos e Reino Unido para a consciencialização das crianças nas escolas.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Direito


Blog onde vão sendo publicados os materiais produzidos pelos alunos da disciplina de Direito. AQUI





quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Fazer diferente

Queres surpreender em sala de aula? Então espreita esta ferramenta e abusa da tua criatividade! AQUI



domingo, 12 de fevereiro de 2017

domingo, 29 de janeiro de 2017

Viver sem ti

Como seguir em frente depois de se perder a pessoa amada? 
Como construir uma vida que valha a pena ser vivida?

Louisa Clark já não é uma jovem banal a viver uma vida banal. O tempo que passou com Will Traynor transformou-a, sendo agora uma pessoa diferente que tem de enfrentar a vida sem ele. Quando um insólito acidente obriga Lou a regressar a casa dos pais, é impossível não sentir que está de volta ao ponto de partida.
Lou sabe que precisa de um empurrão que a traga de novo à vida. E é assim que acaba por ir parar ao grupo de apoio Seguir em Frente, cujos membros partilham sentimentos, alegrias, frustrações e bolos intragáveis. Serão também eles que a levarão até Sam Fielding - um paramédico que trabalha entre a vida e a morte, e o único homem que talvez seja capaz de a compreender. Mas eis que uma personagem do passado de Will surge de repente e lhe altera todos os planos, lançando-a num futuro muito diferente…. Para Lou Clark, a vida depois de Will Traynor significa reaprender a apaixonar-se, com todos os riscos que isso implica.

Em Viver Sem Ti, Jojo Moyes traz-nos duas famílias, tão reais como a nossa, cujas alegrias e tristezas nos tocarão profundamente ao longo de uma história feita de surpresas.

Os Livros - leitura recomendada

Os Livros de 28 Jan 2017 - RTP Play - RTP

Húmus, obra de Raul Brandão

Os Livros - leitura recomendada

Os Livros de 22 Jan 2017 - RTP Play - RTP

Mary Jonh de Ana Pessoa : leitura para jovens adultos

sábado, 28 de janeiro de 2017

Viciante -Baratas



Com o zumbido do constante e intenso tráfego rodoviário nos ouvidos, Harry mergulha no submundo de Banguecoque, apinhado de clubes noturnos, templos, antros de ópio e anúncios turísticos, numa investigação que ninguém lhe pediu nem deseja.
Nem ele próprio. E, uma vez mais, é vítima dos seus próprios instintos.

A sua missão: evitar um escândalo. O embaixador norueguês foi encontrado morto num hotel barato, e aparentemente a família dele está a esconder algo importante. Harry, além de preservar o sigilo das investigações, percorre bares, templos budistas e casas de ópio em busca das peças deste quebra-cabeça, mas aparentemente ninguém quer saber do que aconteceu. Quando o detetive põe as mãos num vídeo bombástico de circuito interno de TV, as coisas complicam-se. O homem que lhe entrega a fita desaparece, e outro diplomata é apunhalado. O detetive descobre logo queos grandes políticos podem ter segredos aterradores, e, à medida que se aproxima da verdade, aumenta o risco de ele se tornar a próxima vítima.

Viciante para quem gosta de policiais.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

A Filha Desaparecida

por Jane Shemilt (Autor)

As horas passam mas Naomi não aparece. A noite avança e Jenny desespera. A filha adolescente já devia ter voltado da escola, onde participou numa peça de teatro. A vida de Jenny, uma médica casada com um neurocirurgião de sucesso, está prestes a mudar.

Um ano depois da noite fatídica, Naomi continua desaparecida. A polícia procurou em vão e os piores cenários (rapto ou homicídio) parecem hipóteses remotas. A busca obsessiva de Jenny, que não desiste da filha, sugere outra explicação: as pessoas em quem confiava e que julgava conhecer têm escondido segredos – sobretudo a própria Naomi.

A Filha Desaparecida é um bestseller internacional.



 Ler excerto                           

Citações
  • «Prende até à última página.» | My Weekly
  • «Arrebatador.» | Sunday Express
  • «Absolutamente empolgante. A tensão acumulada pela desconfiança e pelo suspense leva a um desenlace devastador.» | Mail On Sunday

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

VIVER DEPOIS DE TI



Lou Clark sabe muitas coisas. Sabe quantos passos deve dar entre a paragem do autocarro e a sua casa. Sabe que trabalha na casa de chá The Buttered Bun e sabe que não está apaixonada pelo namorado, Patrick. O que ela não sabe é que vai perder o emprego e que todas as suas certezas vão ser postas em causa.
Will Traynor sabe que o acidente de motociclo lhe tirou o desejo de viver. Sabe que agora tudo lhe parece triste e inútil e sabe como pôr fim a este sofrimento. O que não sabe é que Lou vai irromper na sua vida com toda a energia e vontade de viver. E nenhum deles sabe que as suas vidas vão mudar para sempre.


Em Viver depois de ti, Jojo Moyes aborda um tema difícil e controverso com sensibilidade e realismo, obrigando-nos a refletir sobre o direito à liberdade de escolha e as suas consequências

Mensagens populares